Seguidores

2012/02/25

Material para spinning no mar


Começo este artigo a pensar em todos os que querem iniciar o spinning no mar e têm que decidir que material comprar, invadidos por todas as duvidas, por todas as opiniões e conselhos, mas muitas vezes sem noção exacta da sua necessidade, gastando dinheiro em material que nada serve para esta apaixonante modalidade de pesca.

Como em quase todas as pescas no spinning de mar é necessário ter uma cana, um carreto, fio e um isco, neste caso artificial, para atrair o peixe, até aqui tudo simples e na verdade até é, mas vamos por partes...

Em relação às canas precisamos de uma cana que lance bem longe as nossas amostras, na ordem dos 50 a 70 metros, sabendo que as amostras pesam entre 15 e 35 gramas temos que nos centrar nesse aspecto, escolhendo uma cana com um peso de lançamento (CW) adequado ao que pretendemos lançar, assim uma cana com um CW entre as 10 e as 60 gramas será a mais polivalente, já que servirá praticamente para todos os tipos de spinning que podemos realizar, com amostras de 15 a  35 gramas e mesmo com pequenas zagaias das 20 ás 60g.

O comprimento da cana é muito importante, se vamos pescar de barco convém ser curto, na ordem dos 2 a 2,2m, mas se vamos pescar de costa o comprimento é um factor bastante importante pois a cana além de lançar serve também para controlar o peixe e evitar rochas que nos podem romper a linha, assim comprimentos de 2,40m a 3,60m são aceitáveis, sendo o intervalo ideal entre os 2,70m aos 3,30m.

Um aspecto importante a ter em conta é que a cana deve ser leve, pois após uma manhã de lançamentos com um material mais pesado sentiremos as nossas costas mal tratadas, um peso entre as 160 e as 220g será o ideal.

Em relação ao carreto a escolha será mais difícil pois existem muitos modelos de muitas marcas com prestações semelhantes, uns mais indicados que outros para o spinning no mar, no entanto temos que pensar que será o material de maior desgaste e aqui poupar poderá ser um erro e o barato pode sair caro!

Em termos gerais um carreto tipo 3000 a 5000 com uma recuperação entre os 75cm e 1m será o ideal para o spinning de mar, obviamente que um carreto especifico para o mar (em material não corrosivo, estanque, leve e rápido) será ainda mais indicado no entanto estes carretos são normalmente extremamente caros e o seu valor elevado levará a optar por modelos mais económicos sem comprometer.

O carreto deve além de tudo isto "encaixar bem na cana escolhida, equilibrando o conjunto o máximo possível, por isso normalmente canas mais leves necessitam de carretos mais leve e canas mais pesadas necessitam de carretos mais pesado para as equilibrar, ou então canas com possibilidade de usarem pesos na parte inferior do cabo de forma a equilibrar o conjunto.

O conjunto será mais equilibrado sempre que o ponto de equilíbrio se aproxime o mais possível da haste do carreto.

Quanto aos fios a nossa escolha deverá se reger por um fio multi-filamento de 20lb a 30lb e um mono-filamento em fluoro carbono entre os 0,35 e os 0,45, as marcas são várias e com diferentes preços. Estes dois fios podem ser unidos por um nó “albright improved” ou por outro tipo de nó ideal para multifilamentos mais técnicos como é o caso do nó FG, que em comparação com outros nós apresenta uma resistência muito superior a qualquer outro, garantindo assim uma excelente ligação entre o mono e o multi-filamento.

A união do mono á amostra deverá ser feito através de um clip, pois permite rapidamente mudar de amostra, aqui o nó aconselhável para unir o mono ao clip será o nó palomar.

Em relação ás amostras e vinis aconselho uma escolha muito cuidada, seguindo uma lógica de utilização para que não se comprem amostras que têm utilizações em condições idênticas, desta forma deveremos ter um grupo de amostras superficiais, um grupo de amostras sub-superfície e um grupo de amostras para aguas um pouco mais profundas e um grupo de vinis com diferentes tamanhos e pesos que imitem os peixes presa dos locais por onde andamos, devendo também ter-se em cada grupo de amostras e vinis cores para o dia ou para a noite, para águas abertas ou para águas tapadas.

Além de tudo o que já foi dito deveremos ter uma bolsa para as amostras para facilitar o acesso e a troca de amostras assim como devemo-nos equipar com um fato de vadear ou de neoprene tipo surf, kayak ou mergulho.

Pessoalmente tenho várias preferências em função do pesqueiro que irei utilizar, canas de 2,7 a 3m no verão e canas de 3m a 3,6m no inverno, carretos com protecção SW tipo Shimano SW ou Daiwa MagSeal, em termos de fios uso o fio Varivas Max Power #1,5 um mono Varivas Seabass Fluocarbon 0,41mm, quanto ao clip optei pelos nóvos Fiiish que são em inox e de grande qualidade, não abrem e são de fácil
abertura.

Para mim um conjunto muito leve e polivalente é o ideal, que no seu total pese menos de 500g o que é verdadeiramente pouco para conjuntos de mar. Por isso um conjunto leve, potente e de grande versatilidade, permite praticamente todo o tipo de amostras, vinis e pequenas zagaias quando as condições o exigem.

Relativamente ao fato preferi um fato de neoprene para Kayak sem mangas, que me permite uma maior liberdade de movimentos, assim como uso também um fato de neopren de surf 3/4 com costuras vulcanizadas, é uma opção de inverno onde estar seco no frio é mais importante.

Já usei umas botas de neoprene forradas com feltro para aderir melhor às rochas que por vezes são muito escorregadias, mas desde 2012 que uso as NRS workboots e só tenho uma palavra para as classificar, EXCELENTES!!!

Uso também um blusão de kayak que veda na cintura, punhos e pescoço, permitindo pescar sempre seco, com este conjunto estou também protegido em caso de queda ao mar pois permite nadar mais facilmente, o que não acontece com os vadeadores clássicos que em caso de queda ao mar podem se tornar num grande problema.

Uso uma bolsa de amostras á cintura com capacidade para 18 amostras que tem ainda uma bolsa lateral onde guardo alicate, clips, bobine de fio mono e uma caixa de vinis.

Devemos ter sempre na bolsa um alicate, principalmente para tirar os anzóis da boca do peixe em segurança, ninguém quer ir para casa mais cedo com uma fateixa cravada na mão, além do alicate aconselho ainda um bom grip para água salgada pois facilita muito agarrar o peixe, sendo ainda mais seguro por manter a mão longe da boca dos peixes e de uma possível acidente com uma fateixa!


Relativamente às amostras quero deixar claro que cada pescador acaba sempre por encontrar as amostras mais adequadas para cada zona onde pesca, deixo apenas algumas que estão mais que comprovadas sendo clássicos em todas as zonas e presentes quase em todas as bolsas de spinning:


Heddons Super spook,  superficie
Storm chug-bug SW, superficie
Xorus Patchinko II,  superficie
Lucky Craft Sammy 65 a 128, superficie

Feed Shallow 128, 0,1 a 0,30m
Daiwa Saltiga 14 e 17, 0,3 a 0,80m.
Duo Tide Minow Slim 14 e 17, 0,3 a 0,80m
Rapala MaxRap 15 e 17, 0,3 a 0,9m

Maria Angel Kiss 14, 0,5 a 1,2m
Lucky Craft Flashminow 130MR, 0,6 a 1,6m

Estas amostras são todas de grande valor quer como amostras quer pelo seu preço, por isso para quem se inicia no spinning não será pior começar por amostras low cost (começar por perder amostras de 30€ não é nada animador).

A escolha de amostras que imitem quase na perfeição alguns dos modelos de topo não é simples no entanto existe um grupo de amostras com provas dadas por essas praias fora como é o caso das:

      - Westlab Macua, Yokozuma Montero ou da Payo Seashot que são muito idênticas às Daiwa Saltiga
      - Westlab Bakuba e Vega Akada que são muito semelhantes às Maria Angel Kiss 
      - Bass Gangster que são muito semelhantes ás Rapala Maxrap

Todas elas são boas e apanham peixe, no entanto de todas destaco duas pela sua qualidade em termos de capturas, as Westlab Macua e as Vega Akada, são muito boas e muito pouco ficam a dever ás topo de gama, com uma grande vantagem nos dias que correm, custam muito menos.

Cores como a Sardinha, Red Head, AYU, Gost minnow e dorso castanho/preto ou azul com lados holográficos são muito populares e eficazes cada qual na sua condição de luz e água, existem muitas cores e muitas marcas mas lembrem-se sempre que a primeira função de uma amostra é apanhar o pescador, por isso sejam rigorosos na selecção e tentem olhar para elas como um robalo.



 


Revisto a 05-05-2014

34 comentários:

  1. Bom Dia Armando,
    Para quem começa está aqui um artigo muito completo e de simples leitura.
    Relativamente às calças que referes eu ando à procura para uma solução alternativa aos meus Wader Pro Wear da Rapala, uma vez que as meias com uma epoca e meia deram o "berro" na sola, e já consultei e vi na Decathlon um fato igual ao que indicas. Queria que me desses a tua opinião sobre o seguinte: 1) É dificel de vestir? 2)Aguenta o frio das nossas águas aqui no norte no inverno?
    Obg e um abraço.
    JFP

    ResponderEliminar
  2. Boas José,

    Em primeiro lugar há uma grande diferença entre os waders e o fato de neoprene, com os waders estamos sempre secos, com o fato de neoprene entra sempre alguma água, que aquece e não incomoda, mas não é seco seco, essa é a primeira noção que devemos ter.

    Em segundo lugar os Waders são perigosos para quem entrar muito no mar para ir para rochas ilhadas, por isso não são aconselháveis.

    O fato neoprene tipo kayak que eu apresento é um 3/2 fino que no inverno se sente frio, eu no inverno uso uma calças de lycra tipo running no interior do fato e resolvo o problema, para cima não têm mangas. O pior aqui é que entra sempre um pouco de água pelas costuras que não são seladas.

    Tenho ainda outro fato que custa 4 vezes mais e que já tem as costuras seladas, mas é integral, onde a água não entra e mantêm-me sempre seco.

    O fato de Kayak tem uma vantagem, podes urinar quando quiseres pois tem abertura na frente e os outros não, o que obriga a despir o fato ou a fazer nas calças eh eh eh, eu resolvi o problema e coloquei um fecho no integral para não ter que o despir.

    Para o mar aqui do norte com temperaturas entre os 12 e os 17º o fato 4/3 é melhor, por isso eu uso calças interiores no 3/2, mas no verão os 4/3 podem ser quentes ao levar sempre com o sol, mas no inverno são o ideal, eu com fato integral só uso o corta-vento por cima e não rapo frio e na água nada se sente.

    O fato de kayak é mais fácil de vestir que um integral de surf, mas é mais fino e deixa entrar alguma água, é ideal para quem apenas quer proteger salpicos ou pequenos banhos sem que tenha que entrar na água, ai serve perfeitamente, se for para nadar até uma rocha ou mesmo para entrar na água até à barriga já não será o melhor pois deixa entrar água.

    O melhor é passar numa loja e experimentar, eles também aconselham e ai pode ter a ideia correcta do que é vestir um fato de neoprene que no inicio pode até ser complicado mas depois de uma ou duas pescarias tudo se torna normal, o importante é não se sentir muito apertado, mas o fato deve sempre ficar justo, apertar um pouco sem ser demais.

    Abraço!

    Experimente é o melhor a fazer!!!

    ResponderEliminar
  3. Obrigado Armando,

    Nós aqui na areia andamos muito, tipo caça atrás deles, e os Waders são muito confortáveis, mas tem o problema das meias se degradarem, mesmo usando botas. Do meu grupo já somos dois.

    Daí o termos pensado no fato de neoprene.

    Vou investigar/experimentar e depois decido.

    Obrigado pelos preciosos conselhos.

    1 Abraço

    JFP

    ResponderEliminar
  4. Boas ,

    Quem quiser usar wadeadores tem que user sempre um cinto ( normalmente fornecido com as botas ) para que em caso de queda nao entre agua . Se assim for fica sempre a flutuar .

    ResponderEliminar
  5. Boas,

    Caro anónimo, seria melhor assinar as suas mensagens.

    Relativamente aos vadeadores são ideais para águas interiores e para situações que não exista risco de queda ao mar.

    No caso de queda ao mar os vadeadores são muito mais perigosos que um fato de surf ou mergulho, isto mesmo com cinto, que embora bem apertado dificulte a entrada de água não a impede e certamente qualquer pessoa numa situação de queda ao mar estará em apuros.

    A regra é ter o cinto bem apertado e envolver as pernas para se manter a bolsa de ar nos joelhos, mas numa situação com ondulação, mar com correntes e a termos que nadar rapidamente os vadeadores enchem de água e ai levam-nos direitinhos para o fundo,pois normalmente a botas são pesadas e não flutuam, juntado agua no seu interior e uma impossibilidade de o despir dentro de água podemos imaginar uma situação que ninguém quer passar.

    Eu pessoalmente uso um fato de surf com costuras seladas, confortável e sempre seguro, ajuda-me a flutuar e mantém-me seco e quente, mesmo que caia ao mar, tudo flutua, fato, botas, luvas e seguramente não corro um risco desnecessário como no caso dos vadeadores!

    Apertar o cinto aqui pode sair caro :)

    Um abraço,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom dia,

      Parabéns, excelente artigo para quem inicia a pesca ! Só uma nota, os waders não assim tão perigosos quando alguém cai ao mar, existem vários vídeos a comprová-lo que indicam que, sabendo nadar, não têm problema nenhum.

      cumps,
      Tiago Felizol

      Eliminar
  6. Boa noite Armando.

    Antes de mais parabéns pelo blog e principalmente por este artigo.
    Como iniciante, este "bê-a-bá" do spinning foi muito importante.

    Obrigado

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado caro Anónimo, seria bom assinarmos sempre as mensagens!

      Espero que o artigo o ajude e em caso de duvida não hesite em contactar via mail.

      Um abraço,

      Eliminar
  7. Boas, tenho uma dúvida na união do Mono com o Multi, visto a bobine do carreto ter o Multi e depois se unir o Mono quantos metros de união se deixa de fio Mono?
    Muito Obrigado
    Com os Melhores Cumprimentos
    Grillo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boas,

      O mono deve ter entre 0,9m e 2m, nas zonas mais rochosas deve ser maior.

      Eu pessoalmente uso sempre cerca de 90cm de mono, seja onde for, pois perfiro lançar quanquer amostra sempre com o nó de fora dos passadores da cana, deixando 1/3 do seu comprimento de fio de fora, assim 90cm estão sempre fora dos passadores e o nó não bate nos mesmos, não perdendo qualidade por isso!!

      Um abraço!

      Eliminar
  8. Ok Muito Obrigado

    ResponderEliminar
  9. Boas Armando,

    Fiquei com uma duvida.

    na parte do fio, aonde comprei cana, montaram o fio, colocaram mono e depois multi, o omno foi para encher o carreto.

    Quer disser na ponta tenho que colocar cerca 1 m de fio mono para ligar a amostra ao multi?

    urbano

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boas Urbano,

      O mono que se coloca para encher o carreto é geralmente de menor qualidade pois não serve para mais nada que não seja encher a bobine.

      Quanto ao terminal que deve usar entre o multi e o clip da amostra deve ser de boa qualidade, normalmente um fluorocarbono é mais aconselhado para zonas rochosas enquanto que em pesqueiros sem rocha o seu uso não é imperativo.

      Tal como disse num comentário anterior o mono deve ter entre 0,9m e 2m, nas zonas mais rochosas deve ser maior, isto por norma.

      Eu pessoalmente uso sempre cerca de 90cm de mono, seja onde for, pois prefiro lançar qualquer amostra sempre com o nó de fora dos passadores da cana, deixando 1/3 do seu comprimento de fio de fora, assim 90cm estão sempre fora dos passadores e o nó não bate nos mesmos, não perdendo qualidade por isso!!

      Um abraço!

      Eliminar
  10. Bom dia caro amigo Armando,
    tenho feito spinning na minha zona e aconselharam-me a usar uma ponta de de mono com cerca de um metro mas tinha que ser fio 0.50.
    que me aconselha a fazer?
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boas Rui Ferreira,

      A escolha do terminal tem muito a ver com o local onde se pesca, se pescamos numa zona de praia, com areia e sem pedra um terminal mais fino serve na perfeição já que não temos o risco de raspar o terminal em algumas pedras.

      Por outro lado se pescamos numa zona rochosa ai temos que ter muita atenção ao terminal, deve ser num fluo-carbono de alta resistência e com um diâmetro adequado, nunca utilizo abaixo de 0,40 pescando normalmente com 0,47 que me tem servido plenamente, se usar 0,50 não será pior, isto se pesca numa zona de muita pedra.

      O robalo quando é pequeno não causa problemas mas um bicho de porte já é capaz de nos levar linha e tentar se soltar batendo contra as pedras e ai quanto mais grossa for a linha mais garantia dá, mas como em tudo existe uma solução de compromisso, de 0,40 a 0,50 ficará bem servido.

      Quanto ao comprimento do terminal nas zonas com muita pedra devia-mos utilizar um terminal mais longo, 2 a 3 metros mas isso causa um problema com o nó a passar nos passadores quando lançamos, muitas vezes parte mesmo, por isso um metro de terminal não sendo o ideal é uma solução efectiva que permite deixar sempre o nó de fora dos passadores e teremos que ter o cuidado quando ferrarmos um peixe de porte de manter sempre a cana bem alta para trazer o peixe mais à superfície, evitando que o multi toque em qualquer pedra, pois os multi-filamentos têm muito pouca resistência à abrasão.

      Espero ter esclarecido, se pretender pode sempre colocar todas as duvidas e questões que tiver pelo mail que encontra aqui no blog.

      Um abraço.

      Eliminar
  11. Bom dia Armando Sousa.

    Sou um novato por estas bandas,tenho lido alguns comentários aqui no teu blog.
    Como pareces ser uma pessoa que em nada se importa de dar umas dicas,venho por este meio te pedir uma opinião sobre um carreto que estou a pensar adquirir.

    Shimano Symetre FL 4000

    Quanto a cana ainda não estou decidido,mas tenho algumas em vista,assim como

    Shimano Stradic spin 300 MH 3.00m ou

    Shimano vengeance AX Shad 330 3.30m......esta ultima com um preço bem mais assecivel.

    Aguardo um comentário teu sobre este material e de outros que possas indicar para valores de media gama.

    Abraço

    Joaquim Novo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boas Joaquim Novo,

      Queira por favor enviar uma mensagem para o mail que encontra no topo nesta página, terei todo gosto em o ajudar a escolher um material adequado para se iniciar no spinning.

      Muito obrigado.

      Eliminar
  12. Boa noite,
    estou quase decidido a iniciar-me neste tipo de pesca, contudo não conheço ninguém que o pratique e não sei se quer que cana ou carreto escolher, nem em quanto fica esta prática. Se pudesse agradecia que indicasse um conjunto ou mais que servissem para me iniciar e mais ao menos os preços.
    obrigado, Luís Ribeiro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Luis Ribeiro,

      Entre em contacto via mail que encontra no topo direito desta página e terei todo o gosto em ajudar.

      Um abraço.

      Eliminar
  13. Destas Canas de spinning --> http://www.pescas.pt/canas-pesca/canas-spinning.html quais é que me aconselham para começar na modalidade?
    Já costumo pescar surfcasting mas queria iniciar me no spinning!
    O local de pesca é na costa alentejana lá pos lados de aljezur....
    Fico à espera das vossas sugestões sendo que não pretendo gastar mais de 150€ (cana e carreto).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá João Oliveira,

      Entre em contacto via mail que encontra no topo direito desta página e terei todo o gosto em ajudar.

      Um abraço.

      Eliminar
  14. Boas
    vi as botas que usa e gostaria de comprar umas iguais. poderia facultar a loja onde as adquiriu??
    Obrigado
    Guedes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Guedes,

      Eu comprei as minhas na Irlanda mas já existem por cá veja na Modern Angler em www.modern-angler.com sempre ficam mais baratas que mandar vir de fora.

      Um abraço.

      Eliminar
  15. boas... desde já devo dizer um muitíssimo obrigado pois estou a iniciar-me na modalidade o seu artigo foi muito bom conselho para o que me espera para começar mais uma vez obrigado

    abraço João oliveira

    ResponderEliminar
  16. Obrigado por este artigo. Costumo pescar em Leça mas ainda não tenho tido muita sorte com os robalos. Comprei agora uma cana nova e tenho de a ir experimentar. No entanto tenho algum medo de me aventurar nas rochas e nunca nadei para pescar :p. Prefiro ficar pela praia com água um pouco acima dos joelhos ou então usar pesqueiros de rochas que tenham fácil acesso apesar de alguns nem serem muito bons.

    Vou continuar a seguir este blog.

    Obrigado.


    João Cunha

    ResponderEliminar
  17. ola boa tarde a todos.
    sr: Armando Sousa eu lhe mandei um email ta se poder me responda !!!!

    ResponderEliminar
  18. Bom dia,

    Sou um leitor atento deste blog e também me chamo Armando, mas sou só um novato a dar os primeiros passos no spinning. Gostaria de saber se algém tem experiência com este fio de pesca: NBS Flomax Amigo Super Finess? Se lança bem? Se realmente tem as dimenções correctas? Se suporta o peso que o fabricante diz? E como é constituida por super fibras de polietileno com uma camada em fluorocarbon será que é necessário juntar um leader em fluorocarbono para a resistência á abrasão?

    Se me puderem ajudar agradecia
    Obrigado

    Armando Seabra

    ResponderEliminar
  19. Boa noite!

    Parabéns pelo ótimo artigo e cá vai a minha dúvida. Referiu no artigo uma diferença de cores nas amostras que tem a ver com a altura do dia em que se pratica o spinning. Pode ajudar-me com base na sua experiência. Eu sei que depende do sítio (normalmente faço em buarcos (fig. da foz) mas pode alongar-se mais um pouco sobre esse tema.!

    Muito obrigado,

    Pedro Silva

    ResponderEliminar
  20. ola,
    pode me indicar onde comprar o blusao da Tribord que esta na imagem.
    obrigado
    joao norte

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá ,
      A Tribord é uma marca comercializada nas lojas decathlon e custa uns 49 euros. Abraço

      Eliminar
    2. Olá Joao e David,

      O blusão Tribord da imagem acima, pode ser comprado na decathlon, normalmente tem que mandar vir de frança que não há nas lojas em portugal e custa cerca de 169€, é todo selado, impremeável e tem capuz amarelo, além de faixas reflectoras nos braços.

      Os blusões de 49€ não são selados, não têm capuz, ou seja quando chove ou há muito mar com banhos faz uma grande diferença, o banho é certo e então se houver roupa por dentro a pesca não continuará por muito tempo.

      Abraço

      Eliminar
  21. Boas Armando,

    Comecei a fazer spinning a 4 semanas e uso uma cana shimano Vengeance de 3.6 e uma de 3m e uso um carreto shimano stella 5000 XG e uso uma linha da Trabuco S Force XPS Special Sea HI-VIZ de 0.30mm e por acaso esta linha desliza mto bem nos passadores e sinto-me confortável com ela mas na sua descrição aconselhas usar uma multifilamento e gostaria de saber mais o porque para que eu esteja seguro nas minhas pescarias.

    Mto obrigado e obrigado por partilhares estes ricos conhecimentos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Jorge Tomás,
      O multifilamento trás vantagens em relação ao monofilamento, para as mesmas cargas é mais fino o que permite aumentar a distancia de lançamento, por outro lado é menos elástico o que permite um maior contacto com a amostra e melhor domínio da ferragem e controlo do peixe, o multifilamento não absorve água e tem maior durabilidade que um mono. Por outro lado é menos resistente à abrasão e não é invisível por esses motivos deve ser colocado um shock leader ou terminal na ponta do multi por um lado para servir de desgaste por outro para absorver os choques quer dos lançamentos que das ferragens. Temos que considerar a absorção de água e a resitencia ao vento normais nos monofilamentos também como factores que prejudicam a pesca, lançamento, controle da amostra, ferragem e dominio do peixe por isso tudo é de todo aconselhavel pescar com multi.
      Espero ter ajudado, Abraço

      Eliminar